D’ELA

“Onde houver um aroma inebriante de café, sei que ela estará por perto. E até posso vê-la suspirando prazerosamente após cada gole, e com um olhar no infinito como se estivesse imaginando – ou desejando – algo que reforçasse ainda mais o seu sorriso.
Aliás, um lindo sorriso que é só Dela.

Sempre que tiver um nascer do Sol, estarei certo de que são os olhos dela que acabaram de abrir. Mesmo que caia aquela chuva, ela saberá como capturar aquele momento em imagens e sons. Como combustível em um automóvel, tudo isso serve de força para impulsioná-la para os lugares que ela quiser. Até mesmo na imensidão de si mesma.
Por dentro, ela cultiva um vasto vale de variadas flores e cores que só ela sabe como cuidar. Um zelo raro que é só Dela.

Quando a poesia de Neruda, de Vinícius ou de Magiezi chegar aos meus olhos e ouvidos, na certa imaginaram uma musa, assim como ela, linda e inspiradora. Pois a cada traço, revela-se um verso mágico e belo. Ela exala poesia até num ‘bom dia’. Estrofes certeiras lhe servem de vestimentas para contemplar uma linda tarde de Junho.
Talvez ela não saiba, mas está escrevendo a cada dia, capítulos de histórias e prosas poéticas de sua própria vida. Com uma caligrafia só Dela.

Numa película de Crowe ou Zemeckis pode haver aquela mulher icônica que nos cativa – seja protagonista ou coadjuvante – mas nenhuma se compara à ela. Todos queriam na tela, o jeito que ela tem de andar, a fala tímida, o gorro charmoso e tudo mais que a complementa. Além da inteligência e coerência que possui em comentar sobre essas obras que tocam o seu coração, a ponto de derramar lágrimas.
Seja qual for o gênero do filme de sua vida, o roteiro é escrito do jeito Dela.

De demodê, ela não tem nada. Ela ama a noite, e o encanto noturno habita a Íris de seus olhos. Ela ama a música, e cada canção a faz bailar sozinha em seu quarto ou em pensamentos. Uma paixão em azul, branco e preto mora em seu peito, para o que der-e-vier. Ela é amor e afeto da cabeça aos pés, para todos que moram em seu coração. Assim como ela mora no meu.
Talvez, um dia, a encontre numa peculiar tarde de sábado e lhe abrace a retribuir o carinho e abrigo que suas palavras me proporcionaram. E que em meu olhar possa reconhecer a gratidão e felicidade em estar diante daquela luz humana.
Sei que aquele brilho no olhar, o sorriso e o que há de mais belo, jamais a deixará.
Pois ela nasceu com tudo isso, e permanecerá para sempre do jeito Dela.”

(Mael Júlia)

Imagem: Suburbana

*Dedicado à querida e iluminada amiga, Dani Rodrigues, do blog “D Demodê”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s